Marcas de universidades brasileiras no Instagram: o discurso e a identidade do estudante

João Batista Freitas Cardoso, Jefferson De Azevedo Santana

Resumen


O artigo tem o objetivo de discutir como, no Brasil, os estudantes utilizam a imagem da marca das instituições, por meio do Instagram, criando e promovendo valores para a própria identidade. Foi realizada análise documental das publicações de estudantes de duas Instituições de Ensino Superior, Universidade Anhembi Morumbi e Universidade Presbiteriana Mackenzie. O levantamento das publicações dos estudantes com as marcas de instituições de Ensino Superior foi feito de forma qualitativa por meio de hashtags no site IconosQuare.  Como resultado, foi verificado que, nas publicações, os estudantes se apropriam de diversos elementos da marca, como logo, cor, uniforme e fachada. Também foi comprovado que os estudantes se apropriam dos valores simbólicos da marca utilizando-se ou não do discurso da instituição.

Citas


Perazzo, P. F. e Caprino, M. P. (2008). Possibilidades da comunicação e inovação em uma dimensão regional. Em: M.P. Caprino, Comunicação e inovação: Reflexões contemporáneas (111-126). São Paulo: Paulus.

Recuero, R. (2014). Redes Sociais. Em: A. Citelli et al., Dicionário de Comunicação: escolas, teorias e autores (408-408). São Paulo: Contexto.

RUF. Ranking Universidade Folha (2015). Folha de S. Paulo, São Paulo. [Em línea] Disponível em: http://ruf.folha.uol.com.br/2015/ranking-de-universidades/. [2015, 28 de novembro]

Santaella, L. (2007). Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus.

Sibilia, P. (2007). O show do eu: subjetividade nos gêneros confessionais da Internet. Doutorado em Comunicação. Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Sibilia, P E Diogo, L. (2011). Vitrines da intimidade na internet: imagens para guardar ou para mostrar? Revista Estudos de Sociologia [Em línea], Araraquara, 16(30): 127-139. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/estudos/article/viewFile/3892/3573. [2015, 14 de marzo]

Silva, T. T. (2014). A produção social da identidade e da diferença. Em: T. T. Silva et al. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Telles, A. (2010). A revolução das mídias sociais: cases, conceitos, dicas e ferramentas. São Paulo: M. Books do Brasil.

UAM (2015). Comercial Anhembi Morumbi – Marcelo Tas – Vestibular Top 50. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KIOL2kHXqHI [2017, 26 de setembro]

Valadares, M. G. P. de F. (2013). A verdade de si e as narrativas confessionais: do Eu clássico ao Eu midiático. Comunicação & Inovação [Em línea], São Caetano do Sul, 14(26): 57-64, jan. 2013. Disponível em: http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_comunicacao_inovacao/article/view/1662 [2015, 14 de marzo]

Van Dijck, J. (2008). Digital photography: communication, identity, memory. Em: Visual Communication [Em línea], 7(1). p. 57-76. Disponível em: http://hdl.handle.net/11245/2.67164 [2016, 8 de marzo]


Texto completo: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.



Teknokultura
ISSN-e 1549-2230

© . Universidad Complutense de Madrid
Biblioteca Complutense | Ediciones Complutense