La universidad en Brasil: marcas y contradicciones

Silvia Regina Canan, Edite Maria Sudbrack

Resumen


El objetivo de este artículo es provocar una discusión con respecto al tema de las contradicciones que enmarcan la universidad y la formación docente en Brasil, intentando comprender las contradicciones del proceso histórico de constitución de la universidad brasileña. La problematización se involucra en una agenda de conversaciones sobre políticas para la educación superior, formación de profesores e intervención de los organismos internacionales. Se trata de una investigación cualitativa de metodología bibliográfica, anclada a estudios que viene desarrollando el Núcleo de estudios e investigaciones en políticas y procesos de educación superior (Neppes). Señala las distintas marcas que hicieron parte de la constitución de la educación superior en Brasil y la centralidad que la ha dominado, por medio de un modelo de universidad que atiende preferentemente a los intereses privados. Éstos han ocupado los huecos que iban dejando instituciones y políticas públicas, transformando a las universidades en mostradores de negocios muy lucrativos, culminando con la pérdida de su autonomía. De esa manera, las universidades pasan a desarrollar investigaciones que satisfacen al mercado. Así, se cuestiona: ¿Es posible ir hacia más allá de ese modelo mercantilista? Éste es el reto y la principal pregunta que buscamos contestar en este trabajo.


Citas


Almeida, M. de L. P. de. (2012). Sobre ciência e tecnologia na América Latina: uma análise dos modelos de pesquisa. En Almeida, M. de L. P. de; Catani, A. M. (Eds.). Educação Superior na América Latina: Políticas, Impasses e Possibilidades, pp. 151-172. Campinas: Mercado de Letras.

Almeida Filho, N. (2016). A universidade brasileira num contexto globalizado de mercantilização do ensino superior: collegs vs. Vikings. Revista Lusófona de Educação, 32, pp. 11- 30.

Amaral, N. C. (2016). A educação superior brasileira: dilemas, desafios e comparações com os países da OCDE e do BRICS. Revista Brasileira de Educação. v. 21 n. 66, pp. 717- 736. DOI: 10.1590/S1413-24782016216637.

Bauman, Z. (1999). Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Bento, J. O. (2015). Processo de Bolonha: uma ofensa e traição à ideia e missão da Universidade. En: Bianchetti, L. O processo de Bolonha e a globalização da Educação Superior: antecedentes, implementação e repercussões no que fazer dos trabalhadores da educação. Campinas: Mercado de Letras.

Botelho, A. de F. (2015). Das propostas do Banco Mundial à avaliação institucional na educação. En: Silva, M. A.; Silva, K. A. C. P. C. Pensamento político e pedagógico na formação do pesquisador em educação. Belo Horizonte/MG: Traço Fino.

Brasil, INEP/MEC. (2016). Censo da Educação Superior 2016. Notas estatísticas. Recuperado de: https://goo.gl/6Wx2K6.

Campos, M. M. (2003). Educação e políticas de combate à pobreza. Revista Brasileira de Educação, n. 24, set/out, pp. 183-191.

Canan, S. R. (2016). Influências dos organismos internacionais nas políticas educacionais: só há intervenção quando há consentimento? Campinas: Mercado de Letras.

Chaui, M. (1999). Raízes teológicas do populismo no Brasil. Em: Dagnino, E. (org.). Anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Cortez.

Cury, C. R. J. (1996). A Educação Básica No Brasil. En: Cury, C.R.J. Educação e Sociedade. Campinas: Mercado de Letras.

Dal Vechio, A. y Santos, J. E. (2016). Educação superior no Brasil: apontamentos sobre o lugar e o papel da diversidade institucional. En: Dal Vechio, A. y Santos, J. E. (Orgs). Educação superior no Brasil: modelos e missões institucionais. São Paulo: Casa Flutuante.

Dale, R. (2007). Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”? Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago, pp.423-460.

Dale, R y Gandin, L. A. (2014). Estado, Globalização, Justiça Social e Educação: reflexões contemporâneas de Roger Dale. En: Dale, R y Gandin, L. A. Currículo sem Fronteiras. v.14.

Dias Sobrinho, J. (2010). Dilemas da educação superior no mundo globalizado: sociedade do conhecimento ou economia do conhecimento? São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fernandes. C. M. B. (1998). Formação do professor universitário: tarefa de quem? En: Masseto, M. (Org). Docência na Universidade. 4. ed. Campinas: Papirus.

Humboldt, W.V. (2003). Sobre a organização interna e externa das Instituições Científicas Superiores em Berlim. En: Casper, G; Humboldt. Um mundo sem Universidades? 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Lobo, R. L. (2011). Os desafios do mercado e o futuro da educação superior: prospecção dos cenários para os diferentes tipos de IES. En: Cunha, C. da, Sousa, J. V. de, Silva, M. A. da. Políticas públicas de educação na América Latina: lições aprendidas e desafios. São Paulo: Autores Associados.

Lucchesi, M. A. S. (2011). O ensino superior brasileiro e a influência do modelo francês. En: XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul. Florianópolis. Recuperado de: https://goo.gl/v8wBx3.

Massetto, M.T. (1998). Professores universitários: um profissional da educação na atividade docente. En: Masseto, M. (Org). Docência na Universidade. 4. ed. Campinas: Papirus.

Maués, O. C. (2011). A política da OCDE para a educação e a formação docente: a nova regulação. Educação. Porto Alegre. v.34, n. 1, pp. 75–85. Recuperado de: https://goo.gl/ vmjbGC .

Morosini, M. C. (2006). Estado do conhecimento sobre internacionalização da educação superior: conceitos e práticas. Revista Educar, Curitiba, n. 28, pp.107-124.

Nogueira, D. X. P. (2011). Estado, expansão e avaliação da educação superior. En: Cunha, C. da; Sousa, J.V. de; Silva, M. A. da. Políticas públicas de educação na América Latina: lições aprendidas e desafios. São Paulo: Autores Associados.

OCDE. (2006). L’école de demain. Repenser l’enseignement: Des scénarios pour agir, 2006.

Pereira, E. M. A. (2012). A universidade da modernidade em tempos atuais. En Almeida, M. de L. P. de; Catani, A. M. (Orgs.). Educação Superior na América Latina: políticas, impasses e possibilidades. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Ristoff, D. I. (1999). Universidade em foco: reflexões sobre a educação superior. Florianópolis: Editora Insular.

Santos, M. (2004). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record.

Silva, M. A. (2002). Intervenção e Consentimento. Campinas: Autores associados.

Sousa, J. V. de. (2011). Educação Superior no Brasil: expansão, avaliação e tendências da formação do professor. En: Cunha, C. da; Sousa, J. V. de; Silva, M. A. da. Políticas públicas de educação na América Latina: lições aprendidas e desafios. São Paulo: Autores Associados, p.193-240.

Slaugters, Leslie, L. (1997). Academic capitalismo: polítics, policies anal the entrepreemial univenty. Princetos. pp. 37-60.

Unesco. (2016). Acordo Geral de 2015. Brasília: Unesco. Recuperado de: https://nacoesunidas. org/agencia/unesco/.

Unesco. (2009). Conferência Mundial sobre Ensino Superior 2009: as Novas Dinâmicas do Ensino Superior e Pesquisas para a Mudança e o Desenvolvimento Social. Recuperado de: https://goo.gl/XDo7Qw.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.





Revista Complutense de Educación
ISSN-e 1988-2793

© . Universidad Complutense de Madrid
Biblioteca Complutense | Ediciones Complutense