Salario por pieza y superexplotación del trabajo

  • Juliana Biondi Guanais Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Instituto Latino-americano de Economia, Sociedade e Política
Palabras clave: pago por producción, intensificación del trabajo, superexplotación, teoría del valor, America Latina

Resumen

El artículo tiene como objetivo analizar la superexplotación del trabajo de los cortadores de caña a la luz de la teoría del valor de Marx y de la teoría marxista de la dependencia. El análisis tiene como base una investigación realizada en dos centrales de azúcar del estado de São Paulo (Brasil) entre 2011 y 2016 y demuestra la relación entre pago por producción – forma predominante de remuneración a los cortadores de caña – intensificación del trabajo y superexplotación. Como conclusión demostramos que existe superexplotación en el caso estudiado, porque al mismo tiempo en que los cortadores de caña están teniendo un aumento en el valor de su fuerza de trabajo, ese aumento no es acompañado de una elevación proporcional de los salarios, lo que significa que esos trabajadores están siendo pagos por debajo de su valor.

Citas

Alves, F. J. C. (2006). “Por que morrem os cortadores de cana?”, Saúde e Sociedade, nº3, vol.15, 90-98.

Alves, F. J. C. (2008). “Trabalho e trabalhadores no corte de cana: ainda a polêmica sobre o pagamento por produção e as mortes por excesso de trabalho”, en Bison, N. y Pereira, J. C. A. (coord.). Agrocombustíveis, solução? A vida por um fio no eito dos canaviais, São Paulo, CCJ, 22- 48.

Alves, F. J. C. “Trabalho intensivo e pagamento por produção: o moedor de carne do Complexo Agroindustrial Canavieiro”, Mimeografado, s/f.

Alves, F. y Novaes, J. R. P. (2011). “Precarização e pagamento por produção: a lógica do trabalho na agroindústria canavieira”, en Figueira, R. R. et al. (coord.). Trabalho escravo contemporâneo: um debate transdisciplinar, Rio de Janeiro, Mauad X, 122-150.

Dal Rosso, S. (2008). Mais trabalho!: a intensificação do trabalho na sociedade contemporânea, São Paulo, Boitempo.

Dal Rosso, S. (2011). “Ondas de intensificação do labor e crises”, Perspectivas, vol.39, 133-154.

Dal Rosso, S. (2013). “Crise socioeconômica e intensificação do trabalho”, en Antunes, R. (coord.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II, São Paulo, Boitempo, 43-53.

D’incao, M. C. (1976). O “boia-fria”: acumulação e miséria, Petrópolis, Vozes.

Giordani, F. (2009). “Prática desumana: hora-extra não paga prejuízos de cortadores de cana”, mimeografado.

Guanais, J. B. (2010). No eito da cana, a quadra é fechada: estratégias de dominação e resistência entre patrões e cortadores de cana em Cosmópolis/SP, Disertación (Maestría en Sociologia), Programa de Pós-graduação em Sociologia de la Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Guanais, J. B. (2016). Pagamento por produção, intensificação do trabalho e superexploração na agroindústria canavieira brasileira, Tesis (Doctorado en Sociologia), Programa de Pós-graduação em Sociologia de la Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Guanais, J. B. (2018). Pagamento por produção, intensificação do trabalho e superexploração na agroindústria canavieira brasileira, São Paulo, Expressão Popular/FAPESP, en prensa.

Laat, E. F. (2010). Trabalho e risco no corte manual de cana de açúcar: a maratona perigosa nos canaviais, Tesis (Doctorado), Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção de la Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba.

Marini, R. M. ([1973] 2011). “Dialética da dependência”, en Traspadini, R.y Stedile, J. P. (coords.). Ruy Mauro Marini. Vida e obra, São Paulo, Expressão Popular, 131-172.

Marini, R. M. (1978). “Las razones del neodesarrollismo (Respuesta a F. H. Cardoso y J. Serra)”, Revista Mexicana de Sociologia, Ano XL, vol. XL, numero extraordinário (E), 57-106.

Marx, K. ([1867] 2013). O capital: crítica da economia política, Livro I: O processo de produção do capital, São Paulo, Boitempo.

Neves, D. P. (1989). Por trás dos verdes canaviais: estudo das condições sociais de constituição e das formas de encaminhamento dos conflitos entre trabalhadores rurais e usineiro, Niterói, EDUFF.

Novaes, J. R. P. (2007). “Heróis anônimos”, Democracia viva, nº36, 58-67.

Pochmann, M. (2009). Força de trabalho e tecnologia no Brasil: uma visão da história com foco atual na produção de cana de açúcar, Rio de Janeiro, Revan.

Ramos, P. (2007). “O uso de mão de obra na lavoura canavieira: da legislação (agrária) do Estado Novo ao trabalho superexplorado na atualidade”, en Actas del II Seminário de história do açúcar: trabalho, população e cotidiano, São Paulo, Editora del Museu Paulista da USP, 1-23.

Reis, L. F. (2012). Mecanização e intensificação do trabalho no corte de cana do CAI canavieiro do estado de São Paulo, Disertación (Maestria en Ingeniería de Producción), Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção de la Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Sigaud, L.(1971). A nação dos homens: uma análise regional de ideologia, Disesrtación (Maestría), Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social del Museu Nacional de la Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Sigaud, L. (1979). Os clandestinos e os direitos: estudo sobre os trabalhadores da cana-de-açúcar de Pernambuco, São Paulo, Duas Cidades.

Silva, M. A. M. (2006). “A morte ronda os canaviais paulistas”, Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, nº2, vol. 33, 111-141.

Sotelo Valencia, A. (2012). Los rumbos del trabajo. Superexplotación y precariedad social en el siglo XXI, México D.F., Miguel Ángel Porrúa.

Sotelo Valencia, A. (2018). “Teoria da dependência e extensão da superexploração: uma perspectiva teórica”, en Guanais, J. B. y Felix, G. (coords.). Superexploração do trabalho no século XXI: debates contemporâneos, Marília, Práxis, en prensa.

Publicado
2018-03-19