Comunicação e Cultura no core dos negócios

Denise Maria Moura da Silva Lopes

Resumen


O desenvolvimento tecnológico hoje aplicado aos diversos meios e plataformas de comunicação resulta da necessidade do capital em expandir sua atuação e diminuir seu tempo de realização. Nesse sentido, o artigo analisa as relações entre comunicação, cultura e capital, partindo da hipótese de que o desenvolvimento dos meios de comunicação foi fomentado pelo capital e pelo Estado para cumprir funções econômicas e ideológicas. Propomos uma volta às origens do proceso de mercantilização da cultura e do surgimento dos meios de comunicação de massa para traçar um percurso histórico da evolução dos meios de comunicação problematizando as transformações no seio da indústria cultural como reflexos das necessidades econômicas. Esse percurso é feito tendo a Economia Política da Comunicação como base teórica.


Citas


Adorno, T. W. y Horkheimer, M. (1985). Dialética do Esclarecimento. (Trad. Guido de Almeida). Rio de Janeiro: Zahar. (Original em alemão, 1947).

Arsenault, A. H. y Castells, M. (2008). The structure and dynamics of global multi-media business networks. International Journal of Communication nº2, p. 707-748. Disponível em: http://ijoc.org/ojs/index.php/ijoc/article/view/298/189. [2014, 12 de agosto].

Bolaño, C. (2000). Indústria Cultural: Informação e Capitalismo. São Paulo: Hucitec/Polis.

Bolaño, C. (2002). Trabalho Intelectual, Comunicação e Capitalismo. A re-configuração do fator subjetivo na atual reestruturação produtiva. Revista Soc. Bras. Economia Política, nº11, p.53-78.

Brittos, V. (1999). A oligopolização do mercado brasileiro de televisão por assinatura. Trabalho apresentado no XXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, Brasil.

Brittos, V. Capitalismo contemporâneo, mercado brasileiro de televisão por assinatura e expansão transnacional. (2001). Tese, Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Dantas, M. (2013). Comunicação, desenvolvimento, democracia: desafios brasileiros no cenário da mundialização mediática. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Dantas, M., Canavarro, M., y Barros, M. (2014). Trabalho gratuito nas redes: de como o ativismo de 99% pode gerar ainda mais lucros para 1%. Liinc em Revista, 10(1), 22–43.

Debord, G. (1997) A sociedade do espetáculo. (Tradução de Estela dos Santos Abreu). Rio de Janeiro: Contraponto. (Original em francês, 1967).

Dias, D. de S. y Rodrigues, A. P. (1997). A regulação das indústrias de rede: o caso dos setores da infra-estrutura energética. Revista de Economia Política, vol.17, n 3 (67), julho-setembro.

Flichy, P. (1980).Les industries de l'imaginaire. Grenoble: P.U.G..

Harvey, D. (1989).The condition of Postmodernity. Oxford: Blackwell.

Hesmondhalgh, D. (2007). The Cultural Industries. 2ª ed. London: Sage.

Herscovici, A. (2007). A informação e comunicação no capitalismo contemporâneo. In Estudos de Sociologia. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/estudos/article/download/194/190 [2014, 12 de setembro].

Herscovici, A. (1991). A nova dimensão ideológica da cultura no capitalismo avançado: uma releitura do conceito gramsciano de hegemonia cultural. Caxambu: Anpocs.

Huet, A., Ion, J., Lefebvre, A., Miège, B. y Peron, R. (1978). Capitalisme et industries culturelles. Grenoble: P.U.G.

Lamizet, B. (1999). Histoire des médias audiovisuels. Paris: Ellipses Marketing.

Lopes, D. M. M. S.(2017). Estruturas e dinâmicas do mercado brasileiro de TV por assinatura no processo de reprodução do capital. Tese, Doutorado em Comunicação e Cultura, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Maier, C. S.(1970), Between Taylorism and Technocracy: European Ideologies and the Vision of Industrial Productivity in the 1920s, Journal of Contemporary History (Sage Publications) 5 (2): 27–61.

Mattos, S. (2009). História da televisão brasileira: uma visão econômica, social e política. 4 ed. Petrópolis: Editora Vozes.

Miège, B. y Garnham, N. (1979).The cultural commodity. In Media, culture & society 1.3: 297-311.

Miège, B., Pajon, P. y Salaün, J. (1986). L'industrializacion de l'audiovisuel. Paris: Res Babel.

Rantanen, T. (2006). Foreign dependence and domestic monopoly: The European news cartel and U.S. associated presses, 1861–1932. Media History, 12(1), 19-35.

Small, T. (2011). What the hashtag?: A content analysis of Canadian politics onTwitter. Information, Communication & Society, 14(6), 872-895. http://doi.org/10.1080/1369118X.2011.55457

Tremblay, G. (2011). Indústrias culturales, economia creativa y sociedad de la información, in Albornoz, Luis (Comp.), Poder, Médios, Cultura: uma mirada critica desde la Economia Política de la Comunicación (pp. 109-138), Buenos Aires: Paidós .

Zallo, R. (s/d.) Economia de la comunicación y de la cultura. In: Telos, 10. Madri: Fundesco.

Williams, R. (1981). Culture. London: Fontana.


Texto completo: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.



Teknokultura
ISSN-e 1549-2230

© . Universidad Complutense de Madrid
Biblioteca Complutense | Ediciones Complutense