Caminhos percorridos para a inovação no telejornalismo brasileiro: observações a partir da análise do padrão tecno-estético do Jornal Nacional

Denise Freitas de Deus Soares, Jacqueline Lima Dourado

Resumen


El artículo aporta una discusión teórica en torno a la apropiación de las tecnologías digitales para analizar los últimos cambios en el modelo tecno-estético del Jornal Nacional, de Rede Globo, bajo el aporte de la Economía Política del Periodismo (EPJ). Parte de la premisa que una innovación en el periodismo va más allá de una cuestión tecnológica. En base a los conceptos desarrollados por estudiosos que expanden las discusiones sobre el tema, aportamos definiciones que combinan la lógica de la innovación con cuestiones económicas y políticas en relación a los productos que se producen, distribuyen y consumen en el espacio de la televisión.


Citas


Bakhtin, M. (1997). Estética da criação verbal. Trad: Maria Ermantina Galvão. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

Bolaño, C. e Brittos, V. (2007). A televisão brasileira na era digital. São Paulo: Paulus.

Bolter, J. D. e Grusin, R. (2002). Remediation: Understanding new media. Cambridge: MIT Press.

Bourdieu, P. (1997). Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Briggs, A. e Burke, P. (2004). Uma história social da mídia: de Gutemberg à Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Camponez, J. C. (2009). Fundamentos de Deontologia do Jornalismo: a auto-regulação frustrada dos jornalistas portugueses (1974-2007). Dissertação de Doutoramento em Letras na área científica de Ciências da Comunicação (323-395). Coimbra: Universidade de Coimbra.

Castells, M. (2003). A Galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Trad.: Maria Luiza Borges. Revisão: Paulo Vaz. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Cox, M; Tadic, L; Mudler, Ellen. (2006) Descriptive metodata for Television. Focal Press

Dourado, J. (2012). Rede Globo. Mercado ou cidadania? 2ªed. Teresina: EDUFPI.

Deuze, M. (2004). What is Multimedia Journalism? Journalism Studies, vol. 5, n. 2, p. 139–152.

Fidler, R. (1997). Mediamorphosis: Understanding New Media. Thousand Oaks: Pine Forge Press.

Franciscato, C.E. (2010). Uma proposta de incorporação dos estudos sobre inovação nas pesquisas em jornalismo. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia. Vol. 7, no. 1, pp. 8-18.

Franciscato, C.E. (2013). Possibilidades da Economia Política do Jornalismo nas interfaces entre estudos sobre jornalismo e Economia Política da Comunicação. Em: J. L. Dourado, D. M. Moura da Silva e R. Marques (117-148) Economia Política do Jornalismo: campo, objeto, convergência e regionalismo. Teresina: EDUFPI

Gomes, I. M. M. (Org.). (2012). Análise de telejornalismo: desafios teórico-metodológicos. Salvador: EDUFBA.

Gutmann, J. F. (2000). Aspectos audiovisuais do infotainment: o CQC como propósito de análise. Colóquio Internacional Televisão e Realidade. Universidade Federal da Bahia: Out/2000.

Kalikoske, A. (2010). Padrões tecno-estéticos e hegemonia televisiva no Brasil. In: Anais do Congresso de Ciências da Comunicação na região sul [em línea], Novo Hamburgo. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/regionais/ sul 2010 / resumos/R20-1313-1.PDF [2016, 7 de Julho]

Marcondes Filho, C. (2009). Ser jornalista: a língua como barbárie e a notícia como mercadoria. São Paulo: Paulus.

Moraes, D. (1997). Globalização, mídia e cultura contemporânea. Campo Grande: Letra Livre.

Mosco, V. (1999). Economia política da comunicação: uma perspectiva laboral. Comunicação e Sociedade I: Cadernos do Nordeste, Braga, 12(1-2): 97-120.

Mosco, V. (2016). The Political Economy of Journalism. Em: J. L. Dourado, D. M. Moura da Silva e R. Marques (19-68). Economia Política do Jornalismo: campo, objeto, convergência e regionalismo. Teresina: EDUFPI

Palacios, M.; Barbosa, S.; Firmino, F. e Cunha, R. (2014). Aplicativos jornalísticos vespertinos para tablets: cartografia do fenômeno ante o desafio de uma produção original e inovadora. Sur le journalisme, About journalism, Sobre jornalismo. 3(2): 40-55.

Rezende, G.J. (2000). Telejornalismo no Brasil: um perfil editorial. São Paulo: Summus.

Rogers, E. M. (1983). Diffusion of innovations. 3a.Ed. Nova Iorque: The Free Press.

Rossetti, R. (2013). Categorias de inovação para os estudos em Comunicação. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul: jul-dez, 14(27): 63-72.

Tarapanoff, F. (2012). Infotainment: hibridismo de gêneros. XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Ouro Preto, MG. Junho/2012.

Teixeira. J.F. (2015). Jornalismo audiovisual para dispositivos móveis: um estudo das formas de inserção de conteúdos audiovisuais. Tese (Doutorado) em Jornalismo. Universidade Federal da Bahia. Orient: Marcos Silva Palacios. Salvador-BA.

Tourinho, C.A.M. (2010). Telejornalismo: Em busca de um novo paradigma. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia. 7(1): 19-29.

Tuchmann, G. (1978). Making news. New York: The Free Press.

Tunstall, J. (1993). Television Producers. London: Routledge.


Texto completo: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.



Teknokultura
ISSN-e 1549-2230

© . Universidad Complutense de Madrid
Biblioteca Complutense | Ediciones Complutense