O Movimento Afro descendente e as Campanhas de Identidade Étnica Racial na América Latina e Caribe

Elza Fátima Rodrigues

Resumen


O presente artigo faz um recorrido diacrônico no processo de articulação das organizações afrodescendentes da América Latina e Caribe para a inclusão das categorias “cor” e “raça” nos censos demográficos nacionais de 2005 a 2013, tendo como contexto as campanhas de comunicação de auto identificação, organizada pelas entidades afrodescendentes na América Latina e o Caribe e os governo nacionais dos países que fizeram parte da ronda dos censos da década de 2010, entre os quais estão Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Honduras, Uruguai, Paraguai e Peru. O eixo central do artigo é buscar identificar como estes países utilizaram as plataformas virtuais para impulsionar estas campanhas e que mediações comunicativas se fizeram presentes. Para alcançar o objetivo proposto foi utilizada a pesquisa bibliográfica, e a observação não participativa nos blogs, paginas webs dos atores sociais envolvidos no processo.

Citas


Andrade, M. M. (2012). Negritude em Rede: discursos de Identidade, Conhecimentos e Militância- Um estudo e caso da comunidade Negros do Orkut (204-2011). Dissertação. Brasilia: Universidade de São Paulo.

Antón, J., Bello, Á., Del Popolo, F., & Paixão (2009). Afrodescendentes en América Latina y el Caribe: del reconocimiento estadístico a la realización de derechos. Santiago de Chile: CEPAL.

Bejarano, J. P. (2010). Qual a sua raça ou grupo étnico? Censos, classificações raciais e multiculturalismo na Colômbia e no Brasil. San Salvador: UFBA.

Bertalanffy, L, V. (1976). Teoria Geral dos Sistemas. México: Fondo de Cultura Econômica.

Blog Afrocensos (2010, 17 de outubro). Epsy Capmbell fala sobre Censo 2010 [entrevista]. Disponível em https://www.geledes.org.br/epsy-campbell-fala-sobre-censo-2010/

CEPAL (2005). Seminarios Pueblos Indígenas y Afrodescendientes en América Latina. Santiago de Chile; Naciones Unidas: CEPAL.

CEPAL (2008). Censos 2010 y la Inclusión del enfoque étnico: Hacia una construcción participativa con pueblos indígenas y afrodescendientes en América Latina. División de Población. Santiago de Chile: CELAD; UNICEF; Fondos de Población de las Naciones Unida; Comisión Estadística de la Américas de la CEPAL.

CEPAL (2009). Afrodescendientes en América Latina y el Caribe: del reconocimiento estadístico a la realización de los derechos. Santiago de Chile: CEPAL.

CEPAL (2011). Recomendaciones para los censos de la década de 2010 en América Latina. Santiago de Chile: CEPAL.

Conferência mundial de combate ao racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância correlata (2001). Declaração e Programa de Ação. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares.

Costa, S. (2003). Redes Sociais e Integração Transnacional: problemas conceituais e um mundo de estudo de caso. Política e Sociedade, (2), 151-176.

Costa, S. (2006). Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: UFMG.

CRI (2006). Articulação para o Combate ao Racismo Institucional. Identificação e abordagem do racismo institucional. Brasília: CRI, 2006

Ferreira, F. H. G, & Walton, M. (2005). Desigualdad en América Latina y el Caribe. ¿Ruptura con la Historia? Washington: Banco Mundial. Disponível em http://documentos.bancomundial.org/curated/es/916491468046165704/pdf/348560958682541rica0Latina110PUBLIC.pdf

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade (Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacir. e Guarareira Lopes Louro). Rio de Janeiro: DP&A.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). Censo Demográfico 2010. Características étnico raciais da população: um estudo das categorias de classificação de cor ou raça 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

Maya, J. A. (2007, junio). Los negros ingleses o creoles de Honduras: etnohistoria, racismo, y discursos nacionalistas excluyentes en Honduras. Revista Sociedad y Economía, No. 12, junio, 115-129. Colombia: Universidad del Valle Cali.

ONU (2001). Declaración y Programa de Acción de Durban. Conferencia Mundial contra el Racismo, la Discriminación Racial, la Xenofobia y las Formas Conexas de Intolerancia. Disponível em http://www.oas.org/es/sla/ddi/docs/afrodescendientes_instrumentos_internacionales_declaracion_programa_accion_durban.pdf

Paixão, M. J. P. & Carvalho, L. M. (2008). Censo e demografia: a variável cor ou raça no interior dos sistemas censitários brasileiro. Em O. A. Pinheiro & L. Sansone (org.), Raça: novas perspectivas antropológicas. Salvador: Associação Brasileira de Antropologia (ABA): EDUFBA.

Sansone, L. (2004). Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na produção cultural negra do Brasil. SciELO-EDUFBA.

Sant’Anna,V. (2009). Não deixe sua cor passar em branco. O que esperar do censo de 2010. Geledés. Disponível em http://www.geledes.org. Capiturado em 18 de abril de 2014.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.





Mediaciones Sociales
ISSN-e 1989-0494

© . Universidad Complutense de Madrid
Biblioteca Complutense | Ediciones Complutense