Consagrado a Augusto

José d’Encarnação

Resumen


Propõe-se uma reflexão acerca do papel do poder político na gestão dos povos, a propósito da proclamação de Augusto como imperador. O entrelaçar dos poderes político, económico, militar e religioso há dois mil anos, como na actualidade. Analisa-se a conjuntura que levou Augusto a, pela força militar, assumir o poder, procurando, porém, camuflar a enorme mudança de regime político que protagonizara, inclusive tudo fazendo para que fosse considerado um continuador e não um revolucionário.A escolha do nome constitui, nesse aspecto, um sintoma deveras significativo: começa por ser imperator (chefe militar, para agradar aos soldados); depois, é Caesar, para acentuar, do ponto de vista jurídico e pela hereditariedade, a sua legitimidade; finalmente, Augustus assinala que os deuses estão com ele e que é, no fundo, um salvador. Não se assume como deus, mas deixa que o venerem como tal, favorecendo inclusive a criação de colégios sacerdotais nas províncias, colónias e municípios, para – através do seu culto – garantir fidelidade por todo o Império. Analisam-se, a documentá-lo, alguns textos epigráficos em que a ‘consagração’ é evidente.

Citas


Carvalho, H. et alii (2006): “Altar romano encontrado em Braga”, Forum 40, 31-41. Acessível em: http://hdl.handle.net/1822/9250. Encarnação, J. d’

Carvalho, H. et alii (1984): Inscrições Romanas do Conventus Pacensis – Subsídios para o Estudo da Romanização,

Coimbra. [=IRCP]. Acessível em: http://hdl.handle.net/10316/578.

Coimbra. [=IRCP] (2000): “Tibério Semprónio Graco (162-133 a. C.): entre o voo das águias e a voracidade dos abutres”, Espacio Tiempo y Forma, série II (História Antigua), 13, 219-228. Acessível em: http://hdl.handle.net/10316/25307.

Coimbra. [=IRCP] (2002): “Convergência e cisão na génese do Império Romano”, Humanitas 54, 231-243. Acessível em: http://hdl.handle.net/10316/20222.

Coimbra. [=IRCP] (2013): “Salacia Imperatoria Urbs”, Arqueología Iberoamericana 18, 15-24. Acessível em: http://hdl.handle.net/10316/23687.

Étienne, R. et alii (1976): Fouilles de Conimbriga, vol. II – Épigraphie et Sculpture, Paris.

Fernández Ochoa, C. et alii (2005): “La Torre de Augusto en la Campa Torres (Gijón, Asturias). Las antiguas excavaciones y el epígrafe de Calpurnio Pisón”, AEspA 78, 129-146.

Lesuisse, L. (1961): “La nomination de l’empereur et le titre d’imperator”, AC 30, 415-428.

Quinteira, C. - Encarnação, J. d’ (2009): “CIL II 182, de Olisipo”, Conimbriga 48 181-187. Acessível em: http://hdl.handle.net/10316/13088.

Rouland, N. (1981): Rome, Démocratie Impossible? (Les Acteurs du Pouvoir dans la Cité Romaine), Le Paradou.

Santos Yanguas, N. (2011-2012): “El culto al Emperador en la Asturias romana”, Tiempo y Sociedad 6, 42-78.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.





Gerión. Revista de Historia Antigua
ISSN 0213-0181
ISSN-e 1988-3080

© . Universidad Complutense de Madrid
Biblioteca Complutense | Ediciones Complutense